Benefícios da autocompaixão no enfrentamento do autocriticismo

Na psicologia, a autocompaixão significa a capacidade de ser menos crítico e mais tolerante consigo mesmo, o que possibilita uma visão mais realista da situação no enfrentamento do autocriticismo.

A autocompaixão implica ser gentil e tratar a si próprio com empatia, sem se criticar ou se julgar pelos erros, o que faz com que a pessoa permaneça motivada, sem se preocupar excessivamente com o sucesso ou o fracasso em tudo que faz ou deixa de fazer.

Além do mais, representa uma habilidade no âmbito da inteligência emocional e permite que o indivíduo abra espaço para se conhecer, se cuidar e dar importância a tudo o que lhe acontece.

SOFRIMENTO

Nem sempre é possível obter o que se quer e atingir as expectativas pré-estabelecidas. Se a pessoa não aceita essa realidade, aparece o sofrimento na forma de estresse, frustração e autocriticismo.

Por outro lado, se ela aceita a realidade como parte da dinâmica da vida de todo ser humano, experimenta emoções positivas, como a autocompaixão, que pode ajudá-la a viver cada situação de maneira mais eficaz.

Quando o indivíduo não tem autocompaixão, pode experimentar raiva e dificuldade de se conectar consigo devido ao isolamento.

Outra consequência possível é a irresponsabilidade, ou seja, culpar os outros pelo próprio sofrimento. Isso porque, devido ao fato de não enxergar a realidade como ela é, tem dificuldade para aceitar que a mudança depende de cada um.

A desesperança e a falta de perspectivas também podem surgir quando há autocriticismo. A pessoa se sente perdida e não consegue encontrar sentido na vida. Fica difícil lembrar que é possível tirar o melhor de toda experiência e saber que isso vai ajudar em situações semelhantes no futuro.

SOLIDARIEDADE

No outro extremo, a compaixão vem da percepção do sofrimento do outro, de uma atitude aberta, sem julgamentos. Implica, ainda, deixar-se tocar pela dor alheia e ter a iniciativa de aliviá-la. Trata-se de oferecer solidariedade a quem sofre e dar apoio a quem precisa, mesmo que signifique envolver-se em seus erros e fraquezas.

A autocompaixão, por sua vez, é a mesma atitude de ajuda e gentileza, mas dirigida a si próprio.

Pode ser entendida a partir da solidariedade, que é a capacidade de ser compreensivo e empático consigo quando o indivíduo se sente inadequado, incompetente e pouco assertivo por exemplo.

Também envolve humanidade, ou seja, a pessoa evitar o isolamento quando está sofrendo e pensar que os outros passam por situações semelhantes. Significa entender que erros, imperfeições e dor são parte da experiência humana.

Outro elemento que a autocompaixão engloba é a atenção plena (mindfulness), ou seja, a habilidade de observar as próprias experiências abertamente e objetivamente, sem julgá-las. Significa viver a partir de uma perspectiva equilibrada em relação às próprias emoções, sem negar ou suprimir a dor ou se identificar apenas com ela.

A autocompaixão está intimamente relacionada à resiliência, que é a capacidade de superar traumas e se fortalecer com eles. Portanto é a capacidade de se acalmar, reconhecer os próprios erros e aprender com eles.

Além do mais, está ligada ao bem-estar emocional, ao otimismo, à satisfação com a vida, à autonomia e à sabedoria e contribui para a redução da ansiedade, do estresse e da vergonha.

BALANÇO

Se a pessoa tem altas expectativas e autocriticismo exagerado, o desconforto é maior quando as coisas não acontecem como espera. Isso porque o perfeccionismo que impõe a si aumenta os sentimentos de frustração e incapacidade.

Por meio da autocompaixão, no entanto, é possível para ela fazer um balanço de como se trata quando as coisas não vão bem, se ouvindo e deixando de lado o sentimento de culpa e os julgamentos.

A autocompaixão contribui para a promoção do respeito e da empatia próprios ao ajudar o indivíduo a cuidar de si em vez de se criticar quando sofre ou sente que falhou.

Pessoas com altos níveis de autocompaixão apresentam uma melhor perspectiva de seus problemas e se sentem menos isoladas. Também podem experimentar uma redução em seus níveis de ansiedade e um aumento na autoconsciência de seus problemas.

A autocompaixão permite o melhor gerenciamento dos pensamentos negativos através da regulação emocional. Também aumenta as emoções positivas e ajuda a estabelecer sentimentos de conexão social e satisfação com a vida.

Sendo assim, possibilita a manutenção de uma perspectiva adequada e uma maior flexibilidade cognitiva, o que implica uma melhor capacidade de adaptação às mudanças.

FERRAMENTA

Autocompaixão – 100 cards’, de autoria das psicólogas Luana Ribeiro e Maria Eduarda de Freitas, é uma ferramenta que pode ser utilizada para o desenvolvimento da autocompaixão.

A publicação da editora RIC Jogos tem como objetivo treinar uma mente autocompassiva que gere satisfação com a vida, promova sentimentos de conexão social, estimule a iniciativa pessoal e desenvolva o afeto positivo.

O material tem a pretensão de seguir a psicoeducação. O profissional da saúde mental, ao avaliar a necessidade de trabalhar a autocompaixão, pode fazer uso do recurso para possibilitar que o paciente tenha uma nova perspectiva de praticar a gentileza consigo e, assim, enfraquecer os sentimentos negativos e os pensamentos autocríticos.

Os cards podem ser utilizados de forma livre ou estruturada, dependendo da condução do terapeuta. O paciente, ao praticar o exercício da autocompaixão fora do consultório, deve fazer o registro do antes e depois dos seus pensamentos.

Conheça este e outros RICard’s no site da editora RIC Jogos: www.ricjogos.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.