Como desenvolver autoconhecimento?

O autoconhecimento é essencial para as pessoas viverem em conformidade com aquilo que é melhor para elas, seja na vida pessoal, acadêmica ou profissional. Para que o indivíduo tenha autonomia, controle sobre a própria vida e tome decisões mais acertadas, que tenham a ver com seus propósitos, ele precisa trabalhar essa habilidade.

Autoconhecer-se não é tarefa fácil e exige a prática constante de análises e reflexões sobre os próprios pensamentos, emoções, sentimentos e comportamentos relacionados às diversas situações do cotidiano e às outras pessoas.

A partir do autoconhecimento, o sujeito pode avaliar seus prós e contras e fazer ajustes e melhorias para alcançar quem quer ser, mas sem mudar sua essência. Ou seja, também é um processo de autoaceitação.

Questionamentos

Promover o autoconhecimento requer responder, de forma honesta, questionamentos a respeito de si próprio que levem à reflexão sobre as respostas – escrevê-las ajuda. Também é necessário saber ouvir e interpretar sinais e retornos de terceiros.

Entre as perguntas que as pessoas podem fazer a si mesmas que ajudam no processo de reflexão, constam: quais meus objetivos a curto, médio e longo prazo; o que eu gosto de fazer e gostaria de fazer mais; o que eu não gosto de fazer e gostaria de ter que fazer menos ou não fazer?

Também é importante que elas se questionem sobre o que têm medo, do que gostam e sentem orgulho em si mesmas, quais atitudes gostariam de eliminar de seus maus hábitos, que tipo de lugares gostam e costumam frequentar, quais hobbies têm e quais gostariam de desenvolver.

Linha do tempo

Outro exercício que ajuda no autoconhecimento é fazer uma linha de tempo da vida com os principais acontecimentos que marcaram a trajetória do sujeito para que ele reflita como os impactos positivos e negativos dessas situações o ajudaram a se tornar quem é no presente.

A partir dessas informações, o indivíduo deve registrar na linha do tempo as situações que deseja vivenciar no futuro e traçar estratégias necessárias para alcançar esses sonhos e objetivos, levando em consideração seus dons e talentos atuais e o que precisa e quer desenvolver.

Feedback e terapia

Ouvir as opiniões dos outros, sejam críticas ou elogios, também é importante para o autoconhecimento, pois contribuem para a pessoa identificar seus pontos fortes e os que necessitam melhorias.

Por sua vez, a terapia ajuda na compreensão e transformação de pensamentos, emoções e comportamentos, contribuindo para o desenvolvimento de habilidades importantes para a vida, como equilíbrio emocional, empatia e assertividade.

Ferramentas

Seja no contexto familiar, acadêmico ou terapêutico, uma série de recursos lúdicos pode ser utilizada para auxiliar no desenvolvimento do autoconhecimento de pessoas das mais diferentes faixas etárias.

O ‘Jogo quem eu’, de autoria da psicóloga Mayara Techio, foi criado para uso em psicoterapia com abordagem cognitivo-comportamental de adultos e adolescentes. Visa coletar informações sobre a visão que o paciente tem sobre ele no passado, no presente e no futuro.

A ferramenta é composta por três quadros. Com as informações descritas, o terapeuta trabalha a reestruturação cognitiva das três visões relatadas e utiliza as respostas para plano de tratamento, metas e prevenção a recaída.

Da mesma autora, o jogo ‘Stop do autoconhecimento’ é composto por dois quadros para preenchimento e duas canetas especiais para riscar e apagar. Foi desenvolvido para o psicólogo conhecer melhor seu paciente de forma lúdica.

As descrições solicitadas incluem nome de alguém que o indivíduo admira, um defeito, parte do corpo que menos gosta, parte do corpo que mais gosta, um sonho, um arrependimento, talentos, uma dúvida, uma qualidade, uma emoção, um aprendizado, uma certeza e desejos para o futuro.

Metas terapêuticas

Já as ‘Tatuagens da memória’, criadas pela psicóloga Jaqueline Malheiros, são uma ferramenta para motivar crianças, adolescentes e adultos a lembrarem de suas metas terapêuticas a partir de imagens, palavras ou frases.

São duas cartelas contendo um total de 32 adesivos para auxiliar no trabalho dos elementos fundamentais da rotina e no tratamento de ansiedade e depressão.

O terapeuta dá o sentido para a imagem associando a história do paciente. O paciente coloca a tatuagem temporária para recordar dos itens da terapia. O recurso funciona como um cartão de enfrentamento, uma estratégia da terapia cognitivo-comportamental (TCC).

Por sua vez, os cards ‘Como criar novos hábitos’, de autoria do psicólogo Fernando Elias José, é direcionado a adolescentes e adultos.

Auxilia na compreensão dos processos envolvidos nos hábitos do dia a dia e tem como objetivo possibilitar que as pessoas conheçam práticas para modificar ou criar hábitos em busca de melhor qualidade de vida.

Todos os produtos do combo do autoconhecimento são publicados pela editora RIC Jogos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.