Treinamento de pais na psicoterapia infantil

O treinamento de pais ou outros responsáveis é de fundamental importância para a efetividade do tratamento psicoterapêutico de crianças. Até porque, não raramente, os sintomas apresentados por elas são consequência de problemas no ambiente familiar.

Questões referentes à falta de manejo com os filhos, à falta de informação, de limites e principalmente às expectativas irreais dos adultos em relação ao comportamento dos pequenos são muito frequentes.

Por isso, o treinamento de pais tem sido aplicado no tratamento psicoterapêutico em uma ampla variedade de dificuldades na infância e como uma primeira intervenção em caso de haver risco de negligência ou maus-tratos.

TCC

Na Terapia Cognitivo-Comportamental, por exemplo, se ressalta sempre a necessidade de que os cuidadores sejam observados e orientados pelos profissionais da saúde mental, com a intenção de maximizar os benefícios tanto para os filhos quanto para as famílias.

Nessa abordagem da Psicologia, compreende-se a dificuldade dos cuidadores em relação ao comportamento de seus filhos.

Dessa forma, percebe-se a importância do treinamento de pais visto que os problemas de relacionamento familiar interferem não apenas na apresentação, mas também na manutenção do sofrimento afetivo e na performance comportamental da criança.

ESTRATÉGIAS

Há diversas maneiras para os cuidadores intervirem positivamente no tratamento dos seus filhos, independentemente do transtorno a ser trabalhado. A TCC se baseia no uso de estratégias que visam corrigir pensamentos disfuncionais e seus consequentes sintomas emocionais, fisiológicos e comportamentais.

Isso porque, normalmente, os comportamentos inapropriados das crianças são fruto de um processo educacional resultante de suas interações sociais, incluindo as aprendizagens e as vivências familiares.

Assim, com o treinamento de pais para que corrijam seus pensamentos e suas atuações no contexto familiar, se ajustam as interações em um dos contextos que mais influenciam o pensamento e, portanto, o comportamento dos filhos

TÉCNICAS

Uma das primeiras fases do treinamento de pais é a definição dos problemas apresentados pela criança. É importante discriminar os contingentes de reforço ou punição na emissão dos comportamentos, além de avaliar a frequência, a intensidade e a duração do problema atual.

O conteúdo do treinamento de pais envolve basicamente técnicas de condicionamento operante e aprendizagem social.

Estimula-se os cuidadores a utilizarem, primordialmente, reforço positivo, através de elogios e brincadeiras, para aumentar o comportamento pró-social. A iniciativa faz com que a criança se sinta valorizada, levando à obediência, que se generaliza a outras situações.

Nessa etapa, são dadas instruções sobre as características dos pais e das crianças que modulam o comportamento mutuamente e sobre como aumentar e melhorar a qualidade do tempo e da atenção dispensados aos pequenos com medidas específicas.

CONTINGÊNCIAS

A economia de fichas, uma intervenção comportamental baseada em contingências, também pode ser empregada. Consiste em um sistema de reforço que ocorre quando o indivíduo produz comportamentos desejados no qual se administram fichas que são trocadas posteriormente por reforços mais valiosos, mas são retiradas quando ocorrem comportamentos indesejados.

Também podem ser empregados procedimentos envolvendo o processo de extinção e punição leve. O emprego de estratégias mais efetivas para dar ordens e instruções diminui o número e a frequência das ordens, o que aumenta as taxas de obediência dos pequenos.

Já o time-out é uma técnica que remove a criança de uma situação reforçadora, de maneira temporária e planejada, com o fim de servir como um instrumento de aprendizagem. Técnicas como ignorar comportamentos indesejáveis também são empregadas.

JOGO

O ‘Jogo das atividades parentais’, de autoria das psicólogas Camila Stor de Aguiar e Nathália Della Santa Melo Dantas, foi desenvolvido a partir da prática clínica com crianças que vivenciavam conflitos no âmbito familiar e da prática jurídica em perícias psicológicas para varas de família. Nasceu da necessidade de instrumentalizar a avaliação da dinâmica familiar e das habilidades parentais.

Publicado pela editora RIC Jogos, esse jogo de cartas é recomendado para crianças acima de quatro anos. Pode ser utilizado em psicoterapia infantil, terapia de família ou

em contextos nos quais seja relevante a avaliação de habilidades parentais. Acesse no site www.ricjogos.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.