Emoções primárias: saiba mais sobre elas

As emoções podem ser divididas em dois tipos: emoções primárias e emoções secundárias. A diferença é que as primárias são comuns a todos os seres humanos, geneticamente delineadas, inatas e estão ligadas ao instinto e à sobrevivência. Já as secundárias são adquiridas, aparecem como resultado do crescimento, dependem de aprendizagem, do contexto, de interação social e experiência cultural.

As emoções primárias – também chamadas de básicas ou universais – estão presentes desde o nascimento e contribuem para o desenvolvimento psíquico e a formação motora das crianças. Podem ser entendidas como distintas reações químicas e neurais que ajudam a preservar a vida.

De modo geral, há um consenso de que as emoções primárias são a alegria, a tristeza, o medo, a raiva e o nojo. Para alguns autores, o amor também é uma delas.

Alegria – Trata-se de uma emoção inconfundível e, para as crianças, impossível de ocultar. Reflete-se por meio das risadas, do entusiasmo e das demonstrações de carinho. Os pequenos também se mostram exaltados e enérgicos ao senti-la. Em geral, é causada por uma boa notícia, um presente ou a visita de alguém querido.

Tristeza – Oposta à alegria, ocorre como consequência de um acontecimento indesejado ou algo que não poderá acontecer como se desejava. Algumas crianças tendem a se sentir tristes com facilidade, porque são mais sensíveis que outras. É necessário cuidado para que esse estado seja superado adequadamente.

Medo – O medo é um mecanismo básico de defesa do ser humano. Nas crianças, pode aparecer por vários motivos, inclusive questões cotidianas, como tomar banho ou estar na presença de cachorros e insetos. Além de ajudá-las a superarem essa condição de maneira progressiva, é preciso saber diferenciar o medo das fobias, que se caracterizam por provocar condutas geralmente desmedidas.

Raiva – Também chamada de irritação, é uma resposta a uma situação que provoca rejeição. Geralmente é despertada por situações que a criança considera injustas ou quando não consegue o que quer. É uma emoção frequente entre dois e quatro anos de idade, fase em que o pequeno está começando a interagir com os demais e também a manifestar sua vontade de tomar decisões.

Nojo – Esta emoção é outro mecanismo de defesa primitivo, pois, no passado, servia para que os seres humanos se afastassem de coisas desagradáveis ou incômodas. O nojo, repulsa ou aversão é uma sensação de mal-estar frente a um alimento, objeto ou uma experiência. O lado positivo é que ela pode ser facilmente evitada, bastando se afastar daquilo que a causa ou pensar em outra coisa.

Amor – O amor é uma emoção presente em relações amorosas e fraternas. É possível percebê-lo nos relacionamentos com a família, com os amigos e demais situações em que seja possível viver alguma afetividade. Está diretamente ligada ao carinho e ao prazer.

INFLUÊNCIA

Cada uma dessas emoções primárias tem uma grande influência na vida, no comportamento e no bem-estar das crianças. Por isso, é essencial que sejam compreendidas e adequadamente respondidas por parte dos adultos, sejam pais, responsáveis, educadores ou profissionais da saúde.

Assim como também é fundamental ensinar aos pequenos como interpretar, reconhecer, falar sobre e saber lidar com essas emoções.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.