Eu procrastino? Entendendo e identificando a procrastinação

Procrastinação é o ato de adiar ou prolongar uma tarefa, criando obstáculos irreais e deixando para depois o que poderia ser feito antes proativamente. Em outras palavras, se refere ao atraso desnecessário e irracional de afazeres ou de tomadas de decisão.

Estudos apontam que 20% da população se encaixa na categoria de procrastinadores crônicos, ou seja, pessoas que procrastinam compulsivamente e, consequentemente, prejudicam a vida pessoal, acadêmica e profissional.

Isso porque a procrastinação crônica atrapalha não só a conclusão dos deveres, mas pode alimentar problemas como baixa autoestima, ansiedade, depressão, estresse, culpa e frustração.

MECANISMOS

Existem dois mecanismos cerebrais importantes que colaboram para a procrastinação. O primeiro é o sistema límbico, conectado à parte do cérebro relacionada ao prazer. A questão é que esse sistema só liga para prazeres e dores imediatas.

Já o segundo mecanismo é o córtex pré-frontal, que tenta controlar as vontades e a ambição do sistema límbico. É ele que faz planos a longo prazo. Sua maior fraqueza, no entanto, é o cansaço rápido.

Isso quer dizer que, quando o indivíduo procrastina, o córtex pré-frontal planeja o futuro, mas o sistema límbico intervém, pedindo uma ação que traga prazer instantâneo.

Além disso, quando há algo incomum no córtex pré-frontal, como uma lesão, por exemplo, a pessoa pode sofrer mais com as distrações externas.

Fatores genéticos também podem estar ligados à procrastinação, além da preguiça, que não deve ser descartada.

AGRAVANTES

Os seres humanos, portanto, são facilmente atraídos por gratificações instantâneas, como fazer aquilo que gostam e que traz prazer em vez daquilo que exige mais esforço. Quando existe algum tipo de insegurança, medo ou dificuldade maior com a atividade, fica ainda mais difícil começar.

A força de vontade para executar a tarefa com tempo e qualidade torna-se ainda menor especialmente quando não há uma consequência imediata por deixar de fazer as coisas no momento em que seria melhor, quando não existem cobranças externas e ainda tem um prazo disponível para concretizá-la.

Dessa forma, a tendência é que as pessoas coloquem diversos afazeres de pouco impacto no caminho dos importantes. Assim, na maioria das vezes, não conseguem, no futuro, dar conta do que realmente importa.

Em resumo, o procrastinador costuma postergar as tarefas com o intuito de obter bem-estar, mas, na verdade, a sensação é apenas imediata. Conforme as demandas vão se acumulando, a atitude, que à primeira vista parecia simples, foge do controle.

TIPOS

Existe mais de um tipo de procrastinador. O relaxado não assume a responsabilidade pela parte chata das tarefas e só busca o que lhe causa prazer. Sendo assim, deixa de lado o que não quer fazer e escolhe praticar somente as atividades agradáveis.

Já o procrastinador tenso-nervoso tem consciência de suas obrigações. No entanto, por diferentes razões, não consegue realizá-las, adiando sempre para o dia seguinte, com a ideia de que tudo será diferente e melhor. Quando o dia seguinte chega e ele não dá conta outra vez, emoções e sentimentos negativos surgem com força total.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.