Procrastinação: quais os prejuízos mais comuns relacionados?

Embora seja um comportamento comum dos seres humanos, a procrastinação, ou seja, o ato de adiar ou prolongar uma tarefa, criando obstáculos irreais e deixando para depois o que poderia ser feito antes, precisa ser combatida. Isso porque pode se tornar crônica e trazer prejuízos severos à vida pessoal, acadêmica e profissional, assim como para a saúde física e mental.

A procrastinação crônica tem vários efeitos no âmbito pessoal. Um deles é que as relações com amigos e familiares podem ficar comprometidas, pois o procrastinador não encontra tempo ou não consegue organizar a agenda para se fazer presente.

No ambiente profissional, os malefícios também são significativos. Além de ficar malvisto pelos empregadores ou clientes por não cumprir prazos, o procrastinador afeta a própria e a produtividade da equipe. A perda de oportunidades nos negócios ou uma demissão são possíveis consequências.

Da mesma forma, a procrastinação atrapalha nos estudos, visto que os trabalhos acadêmicos não são entregues a tempo ou ficam incompletos. Enquanto isso, as notas despencam, fazendo com que o aluno seja visto como irresponsável e desleixado.

CICLO VICIOSO

Em geral, o procrastinador acaba tendo que fazer uma série de tarefas às pressas para cumprir os prazos estabelecidos. Dessa forma, algo que precisaria de, por exemplo, três horas para ser entregue com qualidade, é feito em menos tempo.

Como consequência, o resultado fica muito abaixo do esperado e o desempenho do indivíduo, seja na carreira, nos estudos ou na vida pessoal, é todo comprometido.

Além disso, visto que a procrastinação é um ciclo vicioso, os resultados negativos se repetem constantemente, colaborando para o surgimento da culpa, da baixa autoestima, da frustração e do desânimo.

Após sentir o efeito de todas as consequências já citadas, o procrastinador passa a carregar uma sensação constante de incompetência. Afinal, por mais que se planeje, os resultados almejados não são alcançados.

Assim, a perda da confiança em suas habilidades e capacidades gera um quadro intenso de ansiedade que, por sua vez, culmina em mais postergações. Isso porque, nesse ponto, o medo de não ser capaz de concluir uma tarefa ou de não fazê-la com a qualidade desejada é tão grande que impossibilita a ação.

A longo prazo, essa falta de confiança impede até que sonhos sejam realizados, uma vez que a pessoa entra em um estado de estagnação.

SAÚDE

Para a saúde mental, o efeito da procrastinação é devastador, pois a ansiedade e o estresse vão se acumulando. Assim, a pressão para executar logo a tarefa se torna insuportável, já que a autocobrança e os pensamentos de incapacidade ficam cada vez mais frequentes e contribuem para o surgimento de transtornos mentais graves, como a depressão.

Para complicar, o aumento do nível de estresse baixa as defesas do sistema imunológico, abrindo espaço para doenças infecciosas.

Pessoas que procrastinam também apresentam mais dores de cabeça, de estômago e ficam doentes com mais frequência.

O impacto na saúde pode ser ainda mais grave porque o procrastinador crônico sempre deixa a consulta ou o exame médico para depois. Ou, então, fica prometendo iniciar a dieta saudável e a rotina de exercícios físicos, mas nunca o faz.

CARDS

E quando o assunto é o gerenciamento dos pensamentos e a regulação das emoções, um importante recurso que pode ser utilizado no contexto familiar ou clínico são os cards ‘Antiprocrastinação’, material de autoria do psicólogo Fernando Elias José e publicado pela editora RICard’s.

Composta por 100 cartões de orientação e enfrentamento, a ferramenta tem como objetivo auxiliar na identificação e no combate da procrastinação e, por consequência, no aumento de qualidade de vida das pessoas que têm o transtorno. Pode ser utilizada de diferentes maneiras, com o papel de aperfeiçoar o processo psicoterapêutico e as relações interpessoais.

Os cards ‘Antiprocrastinação’ podem ser adquiridos no site da RIC Jogos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.