O que é bullying e como identificar atitudes?

Bullying é um termo da língua inglesa – bully significa valentão ou valentona – e denomina um conjunto de atitudes agressivas da parte de uma ou mais pessoas direcionadas a outras de maneira consciente repetidamente e sem motivo concreto.

Engloba agressões verbais, físicas, psicológicas, insultos, apelidos, intimidações, discriminações, acusações sem veracidade, exposição ao ridículo, ofensas e até roubos.

As vítimas são indivíduos das mais diferentes idades, especialmente crianças e adolescentes, que podem sofrer danos graves, sejam físicos, materiais e, principalmente, psicológicos.

PRÁTICA GENERALIZADA

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que a prática é generalizada. De um lado, um terço dos estudantes brasileiros relata sofrer bullying. Por outro, um em cada cinco já teria praticado.

Metade dos praticantes não sabe explicar por que agride os colegas, e os alvos mais apontados são aparência do corpo ou do rosto, cor ou raça, orientação sexual e origem das vítimas.

Mas o bullying não se restringe ao ambiente escolar público e privado. Pode ocorrer em qualquer outro lugar em que existe contato interpessoal, como no clube, na igreja, no trabalho ou na própria família.

VULNERABILIDADE

A vítima de bullying costuma ser uma pessoa com características que a diferenciam da maioria e a tornam mais vulnerável a ataques. A prática ocorre, portanto, por conta de uma relação desigual de poder entre o perpetrador e a vítima.

Outro problema é que a vítima costuma ter dificuldades de se impor e impedir as agressões. Por isso, muitas vezes, ela sofre em silêncio.

Por outro lado, o agressor costuma ter problemas de empatia, vindo de famílias problemáticas. Mas alguém que pratica bullying também pode querer se tornar mais popular ou simplesmente sentir-se mais poderoso. E há quem considere a prática uma doença.

TIPOS

Nem toda agressão pode ser chamada de bullying. Isso porque ele geralmente ocorre entre pares (colegas de escola, de faculdade, de trabalho, etc). Além disso, brigas e discussões pontuais não são suficientes para caracterizá-lo, pois decorrem de outros motivos.

Entre os tipos de bullying existentes, está o verbal, ou seja, as piadinhas e as fofocas, o mais comum. Há quem alegue que se trata de brincadeira, mas é muito fácil diferenciar um do outro: se a vítima não acha graça e sofre, é agressão.

Por sua vez, o bullying moral ou sentimental engloba os apelidos pejorativos maldosos que não são provocações, mas atacam os sentimentos da vítima.

Entre os tipos verbal e moral, está o bullying psicológico, cuja principal característica é fazer com que a pessoa sempre se sinta culpada. Pode ocorrer até numa relação entre pais e filhos.

Já o bullying físico traz prejuízos físicos à vítima, que pode apanhar, ser mordida ou sofrer qualquer outro tipo de ato violento.

O bullying material ocorre quando o agressor destrói algum pertence da vítima, ou seja, estraga, joga em algum lugar inacessível. É caracterizado pelo prejuízo material.

Existe, também, o bullying sexual. Meninas que se desenvolvem precocemente estão entre as principais vítimas. O agressor usa de insultos, assédio ou abuso como forma de ataque.

CYBERBULLYING

Mais conhecido como cyberbullying, o bullying virtual está se tornando cada vez mais popular por conta do avanço da internet e das redes sociais.

Ele mistura todos os tipos anteriores, mas tem um diferencial: o agressor se esconde atrás de um perfil (muitas vezes falso) na internet. E, a partir dele, zomba, cria fofocas ou até mesmo ameaça a vítima.

Um dos grandes problemas do cyberbullying é que a maledicência alcança grandes proporções, pelo potencial de compartilhamento virtual. Assim a vítima se sente exposta diante de dezenas, centenas e até milhares de pessoas.

Por fim, o bullying relacional pode envolver todos os tipos anteriores, com a diferença de que quem o pratica são pessoas que fazem parte do círculo de amizade da vítima. A manipulação, a exclusão e o uso da amizade como moeda de troca são suas práticas mais comuns.

ESPECTADORES

A presença de um público espectador é um dos elementos mais importantes para se caracterizar o bullying. A reação das pessoas que assistem é variada. Muitas riem e não consideram as agressões danosas, e outras tomam as dores da vítima.

A maioria, no entanto, mesmo percebendo a violência, não confronta o agressor. O motivo pode ser o medo de ser a próxima vítima dele, o que é muito comum nas escolas.

LEGISLAÇÃO

O bullying tem mobilizado autoridades de inúmeros países. No Brasil, a Lei nº 13.185/2015 institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática.

Para agregar outras exigências e tornar as punições mais rígidas, foi publicada a Lei nº 13.663/2018, que trata da promoção de medidas de conscientização, prevenção e combate a todos os tipos de violência e a promoção da cultura de paz entre as incumbências dos estabelecimentos de ensino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.