Transtornos de aprendizagem: principais impactos na escola

Os sintomas dos Transtornos de Aprendizagem graves podem se manifestar em uma idade precoce, mas os leves ou moderados só são reconhecidos na idade escolar, quando o indivíduo se depara com as exigências acadêmicas. Por isso, pais ou outros responsáveis e educadores precisam ficar atentos a todos os pequenos detalhes.

Muitos alunos têm dificuldades para ler, escrever ou executar outras tarefas escolares em algum momento da vida. Só que, no caso dos Transtornos de Aprendizagem, esses sinais, que variam de pessoa para pessoa e não estão relacionados à falta de inteligência ou motivação, persistem.

INTERFERÊNCIA

Os principais tipos de Transtornos de Aprendizagem que interferem na atividade acadêmica são: dislexia, caracterizada pela dificuldade de leitura e escrita; discalculia, caracterizada pela dificuldade de fazer cálculos matemáticos e de entender conceitos numéricos; e disortografia, um distúrbio de linguagem que afeta principalmente a escrita.

Ainda existem condições que não são consideradas Transtornos de Aprendizagem, mas que, da mesma forma, impactam negativamente e atrapalham o rendimento escolar.

Uma delas é o Transtorno do Processamento Auditivo Central ou Disfunção Auditiva Central, que afeta as vias centrais da audição, dificultando a compreensão e a memorização em atividades diárias, assim como a leitura e a escrita.

A outra é o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), cujos sintomas são desatenção, hiperatividade e impulsividade.

Consequentemente, os alunos que apresentam Transtornos de Aprendizagem ou essas demais condições têm um aproveitamento escolar menor que os colegas. Dessa forma, dependendo do caso, podem demorar muito mais para aprender a ler, podem não conseguir fazer cálculos simples e podem ter problemas na hora de escrever por exemplo.

DEFICIÊNCIAS ACADÊMICAS

Entre as deficiências acadêmicas, as pessoas com Transtornos de Aprendizagem podem apresentar dificuldades na alfabetização e aquisição de associações, como nomes de cores, classificação, contagem e nomes das letras. Outros sintomas incluem compreensão limitada da fala, linguagem adquirida lentamente e vocabulário restrito.

Indivíduos com os distúrbios também podem não entender o que leem, ter escrita desordenada, segurar o lápis de modo desajeitado, ter dificuldade de organizar ou iniciar tarefas ou de repetir uma história ordenadamente. Podem, ainda, confundir símbolos matemáticos e fazer leitura errada de números.

DEFICIÊNCIAS EXECUTIVAS

Já as deficiências em funções executivas incluem distúrbios ou atrasos de linguagem, dificuldade de atenção e compreensão. A memória de quem tem Transtornos de Aprendizagem pode ser deficiente, incluindo a memória próxima e remota, uso da memória e recordação ou recuperação verbal.

Os problemas podem ocorrer em conceituação, abstração, generalização, raciocínio, organização e planejamento de informações para resolver problemas. Indivíduos com problemas na função executiva muitas vezes têm dificuldade de organizar e concluir tarefas.

Podem ocorrer, ainda, problemas de percepção visual e processamento auditivo, incluindo dificuldades na percepção espacial e orientação, memória e atenção visual, discriminação e análise de sons.

COMPORTAMENTO

Alguns alunos com Transtornos de Aprendizagem têm dificuldade de seguir as convenções sociais.

Outros sinais são atenção com curta duração, hiperatividade, problemas de motricidade fina e variabilidade no desempenho e comportamento durante todo o tempo.

Podem também ocorrer impulsividade, comportamentos sem metas definidas, problemas de disciplina, agressividade, desistência ou evitação de situações, timidez e medos excessivos.

CAPACIDADE

Apesar de todas as dificuldades listadas, a capacidade de aprender de indivíduos com Transtornos de Aprendizagem não é menor que a do restante da turma. Por isso, pais ou outros responsáveis e educadores precisam ter atenção ao processo de aquisição de conhecimento, pois esses alunos necessitam de métodos especiais para aprenderem.

O tratamento focaliza a conduta educacional, mas pode envolver terapia médica, comportamental e psicológica.

Alguns alunos com Transtornos de Aprendizagem necessitam de instruções especializadas em apenas uma área enquanto continuam a frequentar classes regulares. Outras precisam de programas educacionais separados e intensos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.